10 de Maio de 2017 / 14:24 h

PEQUENOS PARLAMENTARES

Conheça o olhar de cinco dos 24 deputados mirins de Mato Grosso

Assembleia Legislativa terá contribuição de crianças e adolescentes com visão engrandecedora sobre a política

Por PRISCILA MENDES / Secretaria de Comunicação

Alguns sonham seguir carreira política, outros veem como uma oportunidade de aprendizado, mas todos já sabem, apesar da pouca idade, que política se faz todo dia, em todas as relações, e que são necessários ética e compromisso para desenvolver um bom trabalho e contribuir para o crescimento da sociedade.

Eles são deputados mirins de Mato Grosso, foram empossados na Assembleia Legislativa ontem (08/05) e estão cheios de planos para os dois anos de mandato. Com olhos brilhando e transbordando um misto de jovialidade e segurança, cinco dos 24 parlamentares manifestaram um pouco de suas impressões e expectativas, representando os pares: crianças e jovens de 12 a 16 anos, cursando entre a 5º e o 9º ano do Ensino Fundamental, de escolas públicas e privadas de 11 municípios do Estado.

A matéria completa sobre a posse dos deputados mirins está disponível neste link. Conheça, agora, o olhar de cinco dos selecionados:

Antônio Vieira da Silva Júnior, de 12 anos, é o menorzinho da turma, mas com uma vontade muito grande. Juninho, como é chamado, mora em Jangada e cursa o 8º ano na Escola Estadual Arnaldo Estevão de Figueiredo. A preocupação dele é de “melhorar as coisas na escola” e quis começar com um projeto voltado para o Meio Ambiente.

Juninho percebeu que os colegas dele jogavam lixo no chão durante o intervalo escolar. “Fazia tempo que eu estava observando, até já tinha falado com a diretora. Aí surgiu a oportunidade do Parlamento Mirim e surgiu a ideia”: duas ações, que seriam implantadas por meio de lei estadual, caso seu projeto seja abraçado por algum deputado da Assembleia Legislativa – a primeira estrutural, que prevê aquisição de lixeiras de coleta seletiva para as escolas e caminhões para destinação correta e reaproveitamento do material reciclado; e ações orientativas, para que os estudantes saibam da importância de jogar o ‘lixo no lixo’, separando os recicláveis.

O parlamentar mirim, que contou com a ajuda da diretora da escola para fazer o projeto, ainda acredita que poderia ser elaborado um projeto de lei para oferecer aulas de reforço nas escolas públicas e ampliar aprendizados dos estudantes.

Lana Maria Arruda, de 14 anos, já tem uma postura bastante assertiva e arrojada. A aluna do 9º ano, no Colégio São Gonçalo, escola privada de Cuiabá, já planeja cursar Direito e viu o programa como oportunidade de acrescentar conhecimentos à carreira. “Já acrescenta a mim, como cidadã”, avalia.

A deputada mirim lembrou o preconceito que parte da sociedade tem quando se trata de política: “As pessoas falam do que elas não têm muita noção. Mas a política é positiva, porque, por meio dela, a gente pode mudar as coisas”.

O projeto de lei da Lana prevê uma série de atividades a serem oferecidas aos presos, já no último ano de reclusão, como forma de reeducação e ressocialização, “para que sejam reinseridos na sociedade e possam contribuir com a população”: ela propõe um curso sobre ética, moral, religiosidade, filosofia e uma vaga de trabalho em atividades industriais, para que tenha conhecimento técnico.

Luiz de Oliveira Fontes Neto, também com 14 anos e no 9º ano, mora em Alto Paraguai e estuda na Escola Estadual Alexandre Gomes da Silva Chaves. Luiz é bastante tímido, mas, de cara, já apresenta sua paixão: os esportes. Ele joga futebol, futsal, vôlei, luta judô e quer estender suas oportunidades para as crianças “que têm menos acesso, com menor renda familiar”.

Na cidade de Luiz, existem vários espaços de oferta gratuita de esporte, mas sempre com pouca estrutura física. Ele conta que não há aparelho de ar condicionado para as aulas de judô, que os refletores do ginásio estão quebrados, os vestiários em estado decadente, entre outras demandas, e a proposta é reservar mais recursos financeiros. “Eu quero dar mais condições para o esporte. No nosso município, é aberto para todos, mas em situações meio precárias”.

Com poucos minutos de conversa, dá pra perceber que Luiz é apaixonado por política, motivo pelo qual se candidatou ao programa: “Eu queria participar do meio político, porque é um lugar em que me sinto agradável, onde eu posso expressar minhas idéias para a melhoria do meu município”, conclui.

Ariadner Manaylle Lourenço de Oliveira, 14 anos, 1º ano do Ensino Médio, veio de mais longe para participar do programa – do município de Sinop. A jovem, bastante nervosa e estalando os dedos, estuda na Escola Estadual São Vicente de Paula, já foi vereadora mirim em sua cidade e estava bastante animada com a oportunidade de vivenciar o funcionamento do parlamento estadual.

“Eu sempre quis isso. Quando eu comecei como vereadora mirim, vi que política não era aquilo que a gente via na televisão. Eu vi que existe uma política além disso, uma política limpa, que a gente ainda pode fazer isso, porque o futuro do país depende da gente”.

A proposta de Ariadner é aproveitar os laboratórios de informática das escolas públicas, em horários vagos, e ofertar, gratuitamente, aulas de informática básica – incluindo navegação na internet – para idosos, ministradas por voluntários. “Eu mesma já precisei dessa informática”, conta a deputada, se referindo a sua avó, para quem já ensinou muito sobre a rede mundial de computadores. “E nossa comunicação melhorou muito depois disso”, comemorou, já que não elas moram na mesma cidade.

Júlia Carvalho Martinho, também de 14 anos e cursando o 9º ano no Colégio Maxi – instituição privada de Cuiabá, representa também sua escola, que esteve bastante envolvida na apresentação do projeto de lei e se manteve na torcida pela escolha do nome dela. “A coordenadora ficou muito animada e todos os professores me apoiaram e, quando eu consegui, todos os meus amigos comemoraram”.

A adolescente vê como “uma super oportunidade de começar a construir minha vida”, quando poderá fazer amizades e conhecer outras realidades, “um jeito novo de ser”. A isso, agregou o fato de “sempre ter certo interesse na política” e buscou o Parlamento Mirim.

Inovação e empreendedorismo são o foco da Júlia, por avaliar serem muito importantes. “A minha ideia é implantar o empreendedorismo nas escolas públicas e particulares de Mato Grosso”, por meio de palestras e, ao final, uma feira de apresentação das produções.

“O empreendedorismo não é só ‘fazer empresa’, mas também permite à pessoa ser mais resiliente, mais motivadora, ter um objetivo, querer algo na vida, ver outras formas de fazer as coisas”, argumenta.

Confira a listagem com os outros 19 deputados mirins:

Alefe da Luz Oliveira – Cuiabá

Ana Clara Figueiredo – Cuiabá

Andressa do Nascimento Gonçalves – Santo Antônio de Leverger

Bruno Lanzarine da Silva – Diamantino

Celso Júnior dos Santos Araújo – Cuiabá

Eduarda de Almeida Santos – Cuiabá

Franklin de Oliveira Adriano – Várzea Grande

Gabriel de Lima Adelino – Cuiabá

Gabriel Phelipe de Almeida – Cuiabá

José Vitor Crescencio – Cuiabá

Kamilly Sayuri Miyashita – Nossa Senhora do Livramento

Karolyna da Anunciação dos Anjos – Cuiabá

Kawanny Nunes dos Santos – Rosário Oeste

Lívia Thais da Costa Quinteiro – Acorizal

Maria Eduarda Marinho Alves de Lima – Cuiabá

Mell Hellen Dourado Maciel Silva – Cuiabá

Pedro Paschioitto Soares – Cuiabá

Thianara Jamilli da Silva Schubert – Poconé

Yori Fernando de Arruda – Cuiabá

 

Fotos: Helder Faria/ALMT