23 de maio de 2017

SOCIAL

Bandeira do Divino percorre ALMT

A festa, cujo primeiro registro data de 1829, contemplava as famílias tradicionais cuiabanas, mas vem “adotando" cuiabanos de coração

Por MARIA NASCIMENTO TEZOLIN/ Assessoria Sala da Mulher e Teatro

Como acontece tradicionalmente todos os anos, os festeiros do Senhor Divino visitaram a Assembleia Legislativa nesta terça-feira (23) e foram recepcionados para o tradicional “chá com bolo” pelo presidente da Casa, deputado Eduardo Botelho (PSB). Antes, os festeiros percorreram todas as dependências da Casa de Leis, momento em que a imperatriz da festa, Claudinéia Fávaro, apresentava as bênçãos do divino aos católicos que trabalham no Parlamento mato-grossense e fazia a entrega do “Pão do Senhor Divino”, que, conforme a tradição religiosa, deve ser guardado para ajudar a atrair fartura.

A imperatriz Claudinéia Fávaro disse que se sentia “honrada, porque o povo cuiabano acolhe a todos de coração e é uma oportunidade de retribuir”. A festa, cujo primeiro registro data de 1829, contemplava as famílias tradicionais cuiabanas, mas vem “adotando” imperatrizes e imperadores e outros festeiros, cuiabanos de coração. Para Claudinéia, esse é um reflexo do costume do povo cuiabano de ser acolhedor. “É uma emoção. Eu não conhecia essa cultura tão de perto e o povo cuiabano é fervoroso na fé, o que me deixa emocionada”, disse.

A visita ao Parlamento faz parte da “Bandeira Esmola”, momento em que, na época da festa, que este ano é de 21 de maio a 4 de junho, os festeiros percorrem os bairros e Poderes, oportunizando que os devotos possam participar, contribuindo com a festa do santo, através da esmola. De acordo com a festeira de honra, Emil Pereira de Souza Moraes, a doação é a forma de todos os devotos participarem diretamente da festa, contribuindo com aquilo que podem. A renda do evento é revertida para a igreja. “É uma tradição secular da festa do Senhor Divino, que aproxima os fiéis à igreja”, explica Emil.

Este ano, a festa completa oficialmente 188 anos. Emil destacou também a acolhida que o povo cuiabano nato fez aos de coração. “O cuiabano tem fama de bem receber, de bem tratar, então, nada mais justo do que receber os cuiabanos de coração que vêm aqui para viver e acabam trabalhando em prol da religiosidade cuiabana e de Mato Grosso”.

A Festa do Divino acontece sempre 50 dias depois do domingo de Páscoa. As atividades da festa mobilizam dezenas de pessoas e, direta e indiretamente, toda a população cuiabana, para a qual a festa simboliza a fé e a própria cultura religiosa de Cuiabá.

Fotos: MAURÍCIO BARBANT