Promotores de eventos recorrem à AL por linhas de crédito

Com suspensão das atividades, empresários enfrentam dificuldades para manter as empresas
Itimara Figueiredo/ALMT

Mais um segmento recorreu à Assembleia Legislativa de Mato Grosso para viabilizar linhas de crédito. Nesta terça-feira (12), empresários do setor de eventos se reuniram com o presidente da ALMT, deputado Eduardo Botelho (DEM), na Presidência, para relatar as dificuldades que enfrentam desde a instituição do isolamento social ocasionado pela pandemia da Covid-19, que suspendeu as atividades e não têm data para o retorno de eventos em Mato Grosso.

“Hoje recebi mais um segmento empresarial que sente os efeitos econômicos causados pela Covid-19. Os empresários do setor de eventos, então parados há mais de 60 dias e já enfrentam sérias dificuldades. Sabemos que o isolamento social é necessário para conter os avanços da pandemia, com isso nossa economia está entrando em declínio. O desafio agora é conciliar medida para conter a contaminação da Covid-19 e, ao mesmo, tempo apoiar a retomada das atividades econômicas com segurança. Estamos estudando caso a caso e vamos encontrar uma saída para esse importante segmento que gera milhares de empregos em nosso Estado”, afirmou Botelho.Sensível à causa, o deputado Botelho reconheceu que esse foi um dos primeiros setores a suspender as atividades e, provavelmente, será um dos últimos a voltar. “Temos que encontrar a solução para que esse setor não morra aqui no estado, aí ficamos sem as empresas, isso sem contar os empregos porque são geradores de emprego. É uma preocupação que temos e vamos procurar uma solução para mantê-los vivos”, garantiu Botelho.

Com aproximadamente 30 mil pessoas envolvidas no setor de eventos em Mato Grosso, que atuam de forma direta e indireta, os empresários pedem a desburocratização para linhas de crédito. “Estamos bastante confiantes na ajuda do nosso presidente Botelho. Uma forma de nos ajudar é com menos burocracia ao acesso de linhas de crédito”, disse Nilmo Garcia, presidente da Associação Mato-grossense dos Produtores de Eventos.

“Todos temos problemas com funcionários, manter as despesas, estamos sem receita e estamos sem saber como resolver. A maioria das empresas está fechando, não temos prazo para voltar às atividades. Então, viemos aqui com o presidente Botelho buscar uma solução. A primeira proposta seria uma linha de crédito para fazer suprimento de caixa, pois as empresas estão sem caixa e não têm dinheiro nem para pagar as contas”, explicou Nilmo, ao acrescentar que diante à pandemia, não adianta nem pedir para voltar às atividades. “Queremos ajuda para que as empresas sobrevivam, que mantenham seus funcionários ou será um desemprego em massa”, alertou.

Representante do ramo de sonorização, Volni Ferri, de Sinop, reforçou a importância dos recursos. “No nortão também há uma grande massa de pessoas que trabalham com eventos. Nesse momento está tudo parado e viemos pedir apoio da Assembleia para que disponibilizem pelo menos uma linha de crédito, para que possamos sustentar nossas empresas até final do ano, porque pelo que entendemos esse vírus vai demorar e o setor terá dificuldade para voltar a atuar. O presidente nos deixou muito otimistas e creio que vai dar certo!”, concluiu.

FABLICIO RODRIGUES / ALMT

Clique em baixo e  faça parte!

Pensamentos do dia