HARMONIA ENTRE PODERES

Em visita à Assembleia Legislativa, conselheiros do TCE reafirmam parceria

“Estamos vivendo um ambiente institucional maravilhoso”, garante o presidente Novelli

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso e o Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso – TCE/MT darão continuidade ao trabalho harmônico e integrado entre os dois Poderes, para colocar em prática diversas ações para Mato Grosso avançar. Nesta terça-feira (24), o presidente da ALMT, deputado Eduardo Botelho (União Brasil), recebeu a visita institucional do presidente da corte José Carlos Novelli e dos conselheiros Sérgio Ricardo de Almeida e Guilherme Antônio Maluf, além do procurador-geral do Ministério Público de Contas, Alisson Carvalho de Alencar.

Novelli informou que a visita marca o retorno do presidente Botelho, que estava de licença nos últimos 15 dias, e serviu para troca de ideias, uma vez que, as ações dependem do trabalho integrado da Assembleia Legislativa e do Tribunal de Contas em cima da nova gestão do TCE e das novas metas que a corte tem para a administração pública mato-grossense. Citou o plano de capacitação para as prefeituras e câmara municipais e o planejamento estratégico para 88 municípios, principalmente, aqueles em que os prefeitos assumiram no ano passado durante a pandemia e será um reforço aos novos gestores.

“Uma visita institucional. Estamos vivendo um ambiente institucional maravilhoso. O TCE é um órgão técnico que presta serviços para que a Assembleia possa fazer a fiscalização do Executivo. O Tribunal de Contas é parceiro, não só fiscalizador, mas, acima de tudo, orientador de políticas públicas para que elas possam ser realizadas de forma eficiente para a sociedade mato-grossense. Temos uma secretaria a ASPAR, gerida pelo ex-deputado Carlos Brito, que faz o trabalho de integração entre a Assembleia e o TCE”, destacou Novelli.

Botelho agradeceu a visita e ressaltou que uma das discussões será a alteração na Lei Orgânica da corte. “Tivemos uma conversa com eles sobre vários aspectos, tem mudança na Lei Orgânica do tribunal, são questões estruturais, por exemplo, o TCE tem duas estruturas administrativas e os tribunais do Brasil não funcionam dessa forma. São algumas das alterações que vamos colocar em discussão aqui na Assembleia. Estamos trabalhando sempre em conjunto. De 2019 pra cá estamos trabalhando em total harmonia com todos os Poderes. Isso tem dado resultado bom para o estado e para a população”, disse Botelho.