FORTALECIMENTO DO CAMPO

MT se prepara para criação de sindicatos em defesa da agricultura familiar e empreendedorismo

Mobilização recorreu ao deputado Botelho para solicitar apoio, uma vez que o parlamentar defende o fortalecimento do setor com a expansão da produção primária e industrial

Criar representantes sindicais em defesa das famílias que trabalham no campo. Esse é o objetivo da mobilização em Mato Grosso pela criação do Sindicato dos Agricultores Familiares e Empreendedores Familiar – Safer. Representantes da Confederação Nacional dos Agricultores Familiares – Conafer recorreram ao primeiro-secretário da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), para apresentar a proposta e pedir apoio, em reunião realizada nesta quinta-feira (29), em seu gabinete.

Botelho, que é presidente da Comissão de Agropecuária, Desenvolvimento Florestal e Agrário e Regularização Fundiária da ALMT, entendeu como importante a união de esforços para que que as cidades mato-grossenses busquem ações e fortaleçam o setor, podendo obter avanços consideráveis com a representatividade sindical.

Durante a reunião com Guimar Rodrigues de Oliveira, coordenador da Conafer em Mato Grosso; o engenheiro agrônomo, Silvio Barbosa Gomes de Sousa, coordenador da Conafer Nacional; Silas da Costa Vaz, secretário da Amazônia Legal da Conafer Nacional e Euclides Santos, que coordena a área de regularização fundiária, agricultura familiar e atendimento comunitário na ALMT, e o assessor parlamentar Ricardo Adriane, Botelho reafirmou seu empenho em trabalhar pelos pequenos produtores rurais.

“Temos que implementar ações que fomentem a regularização fundiária e deem condições de trabalho para os pequenos produtores. Essa tem sido a nossa luta, pois não basta apenas regularizar as terras, temos que avançar no sentido de ver o trabalhador com o documento da sua terra e com condições de poder trabalhar, produzir e agregar valor, gerando mais emprego e renda.”, afirmou Botelho, ao defender a expansão da produção primária e industrial.

O coordenador da Agricultura Familiar e Empreendedorismo Rural,  Guimar Rodrigues, explicou que pelo menos 60% dos municípios já trabalham pela criação dos Safers. Se consolidados, Mato Grosso ficará apto a criar a federação à categoria. “Percorremos todo estado apresentando o projeto e as proposta que a confederação tem para fazer o trabalho de resgate da agricultura familiar, representando o trabalhador e empreendedorismo familiar rural. Os municípios já se movimentam pela criação de seus sindicatos”, explicou Rodrigues.

Segundo o coordenador, Ribeirão Cascalheira, Querência e Canarana já criaram o seu sindicato. Porto Alegre do Norte, Guiratinga, Poxoreo, Guiratinga e Tesouro já prepararam a documentação para efetiva regulamentação. Assim como São José dos Quatro Marcos, Araputanga, Mirassol do Oeste, Glória d´Oeste e Curvelândia. Também em andamento a criação do sindicato de Jaciara, São Pedro da Cipa e Juscimeira. Bem como o de Nortelândia, Diamantino e as cidades da Baixada Cuiabana.

“Vamos interligar alguns municípios num sindicato só. Direta ou indiretamente vamos chegar aos 141 municípios, num trabalho que fará toda a diferença no setor”, acrescentou Rodrigues.

A ascensão desse trabalho também já é visto no mercado internacional. Silas Vaz garante que será uma opção a mais para a firmação de novas parcerias.

O secretário da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar – SEAF, Silvano Amaral, disse que a iniciativa é importante, uma vez que trará mais um segmento para trabalhar pelo fortalecimento da agricultura familiar.

CONAFER – A Conafer está presente em 23 estados, já avançando internacionalmente. Daí a importância de criação das entidades de primeiro grau, que são os sindicatos locais – SAFERs. Criados a partir de demandas do próprio agricultor, esses sindicatos se diferenciavam dos outros por não possuir nenhuma relação com partidos ou ideologias políticas, mas sim com os trabalhadores do campo que estavam buscando suas vozes, espaços e garantias de existência. Os SAFERs vieram para suprir demandas de fomento do Estado ao setor, como linhas de crédito e garantia da valorização do produto.

Quando um estado atinge o número suficiente de SAFERs, uma federação é criada naquela unidade (FAFER), servindo para trazer as demandas dos agricultores aos poderes públicos do estado, como secretarias estaduais, governo estadual e deputados estaduais.

Quando as demandas dos estados se tornaram maiores de que sua própria unidade federativa, todas as federações se unem na criação da CONAFER, uma confederação que vem para levar as demandas do agricultor lá da ponta até o governo federal, seus ministérios e autarquias. Mantendo as premissas iniciais dos sindicatos, a CONAFER é uma entidade autônoma cujo único objetivo é fomentar políticas para a agricultura familiar no país.

O grande desafio se refere à pluralidade que envolve a agricultura familiar, que além de camponeses, é preciso se preocupar com melhorias para os povos indígenas, quilombolas, posseiros, ribeirinhos, assentados e acampados. São essas pessoas que mais necessitam de um terreno para produzir com suas famílias e a Conafer atua em defesa na busca das garantias básicas para uma vida de trabalho e dignidade. (com assessoria)