Segmento da pesca cria Federação dos Trabalhadores

Comissão provisória tem objetivo de reorganizar categoria da Pesca e Aquicultores

Representantes do segmento da Pesca de Mato Grosso se reuniram na tarde de ontem (15), na Colônia Z5, de Barão de Melgaço, com o presidente da Confederação Nacional de Pescadores e Aquicultores (CNPA), Abraão Lincoln, para criar alternativas, a fim de encontrar soluções aos problemas dos ribeirinhos no estado.

Além das dificuldades dos pescadores em receber benefícios durante o período da piracema e escassez do peixe, também discutiram a criação da Federação para representar os trabalhadores da pesca e aquicultores .

Para o assessor parlamentar do deputado Eduardo Botelho (DEM), Louremberg Lima, que representa o parlamentar junto ao segmento da Pesca, a deficiência de peixes no mercado está prejudicando toda a escala de produção. Por isso é necessário a união e coragem para inovar. “Os frigoríficos estão sem matéria-prima para beneficiar, com isso não existem produtos para colocar nos mercados. Esse é um novo momento e precisamos nos organizar para a evolução da cadeia da Pesca. Precisamos voltar a ser o segundo produtor de piscicultura do país. Hoje ocupamos o sexto lugar no ranking. Mas, para isso é necessário que as Colônias sejam produtivas, precisamos produzir e fazer o produto chegar ao mercado e que as autoridades, como o deputado Botelho, apoiem à categoria, atendendo aos anseios do segmento e fortaleçam os pescadores”.

Louremberg ainda chamou atenção para as mudanças na categoria. “Quando mudamos o estatuto da Colônia de Pescadores, acrescentamos a figura do piscicultor, com objetivo de fomentar a pesca e transformar a atividade em agricultura rural. Somos 20 Colônias no estado e não podemos permitir que sua atuação seja apenas para fazer seguro-desemprego e aposentar pescadores, o que precisamos fazer é organizar a categoria e trazer os pequenos produtores – piscicultores –  para dentro das colônias. Dessa forma vamos adquirir sustentabilidade da produção”, afirmou.

O presidente da CNPA, Abraão Lincoln,  propôs formas de reorganizar e fortalecer as Colônias de Pescadores e estruturar a cadeia produtiva da pesca.

“Estamos em Mato Grosso tratando da criação da nova Federação que irá traçar um novo rumo para a política pesqueira e aquicultura do estado. Uma comissão provisória que começa com adesão de boa parte das Colônias e acredito que, logo, em sua totalidade. A partir daí investiremos em novas tecnologias, renovação das linhas de crédito junto ao Governo Federal, para adquirir despoupadora de peixe, pequenos frigoríficos, colocar energia solar, enfim, transformar as Colônias em braços comerciais, agregar valor ao produto do pescado, para atender melhor a comunidade e, com isso, dar uma vida melhor para aqueles que sobrevivem das águas”, destacou Lincoln.

O presidente da Colônia Z5 de pescadores de Barão de Melgaço, Domingos Antônio de Oliveira, agradeceu às lideranças presentes e apresentou a dificuldade dos ribeirinhos em receber o seguro defeso.
“Faço parte da associação há 18 anos, conheço a sociedade de pescadores, a realidades da categoria e as necessidades de cada região. Vejo como importante a participação das autoridades políticas nesse processo. Nós, ribeirinhos, estamos na linha de frente, trabalhando para sustentar nossas famílias e por causa de falta de comunicação e  dificuldades para operar o sistema do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) , não recebemos nosso benefício”, concluiu.

Participaram da reunião representantes das Colônias de pescadores de Cuiabá Z1, Rondonópolis Z3, Barão de Melgaço Z5, Rosario Oeste Z13, Poconé Z11 e Peixoto de Azevedo Z21. Também participou o vereador de Barão, oriundo da pesca, Adauto Luiz da Silva (PSDB).